sábado, 5 de dezembro de 2009

Bolo-Rei: história, composição e lista de confeitarias

Em plena época de festas natalícias e de Ano Novo, é tempo de atacar o tão famoso e delicioso Bolo-Rei! nComo tudo tem uma história e poderá ser interessante conhecer algumas curiosidades sobre o dito gâteau des rois.
As origens de um bolo idêntico ao Bolo-Rei remontam à época da civilização romana e ao costume de se sortear um Rei ou uma Rainha nas festas de Saturno.
Com base nos registos históricos, o Bolo-Rei idêntico ao que conhecemos hoje, surgiu em França, na época de Luis XIV, para as festas de Ano Novo e do dia de Reis.
Aquando da Revolução Francesa em 1789, o Bolo Rei foi proibido, mas os pasteleiros para garantirem a continuidade desse bolo, despistaram os revolucionários ao designarem o Bolo Rei de “gâteau des sans cullotes”.
Em Portugal o Bolo-Rei teve as suas origens em Lisboa na Confeitaria Nacional, ainda hoje considerado o melhor e com a receita secreta há mais de 150 anos. Na segunda metade do século XIX este bolo era exclusivo desta confeitaria.
Progressivamente, a moda do Bolo Rei difundiu-se para outras confeitarias lisboetas e pelo país, dando origem a várias versões do bolo. No Porto, o Bolo-Rei foi colocado à venda pela primeira vez em 1890, através da iniciativa da Confeitaria de Cascais, sendo este Bolo-Rei feito segundo uma receita que Francisco Júlio Cascais trouxe de Paris.
Com a Implantação da República em Portugal em 1910, o Bolo-Rei teve, naturalmente, a sua existência ameaçada. No início de 1911, foi proposta em sessão parlamentar a alteração do nome do Bolo-Rei para Bolo-República. Havia quem quisesse designar o antigo Bolo-Rei por “Bolo Presidente” ou “Bolo Arriaga”(referindo-se a Manuel de Arriaga, primeiro Presidente da República). Não vingou.
Em geral, a composição do Bolo-Rei contém massa de pão levedada que forma uma coroa (símbolo do Rei), coberta de frutos cristalizados (simbolizam as pedrarias da riqueza) e de açúcar em pó; no interior do bolo encontram-se na mistura da massa frutos secos, passas, frutas cristalizadas, o brinde, a fava, etc. Segundo a tradição, quem encontrar a fava numa fatia tem direito a pedir um desejo ou tem que pagar um jantar ou tem que comprar um Bolo-Rei da próxima vez.

Atenção: embora não pareça, há GRANDES diferenças entre as pastelarias e padarias que os confeccionam.

Por isso, aqui vai uma lista das minhas padarias e confeitarias favoritas para aquisição de bolo-rei no Porto e arredores:
- Petúlia
- Costa Moreira
- Primazia
- Tavi
- Padaria Ribeiro
- Cunha
- Magarinos
- Decmel (mesmo ao lado do Monami)

Em Lisboa, de acordo com uma sondagem de rua:
- Califa, Estrada de Benfica 463.
- Garrett, Av Nice 54 (Estoril).
- Espiga Dourada, Av D Dinis 52 (Odivelas)
- Confeitaria Nacional, Pç Figueira 18B
- Versailles, Av República 15 A


Ah, já agora, bom apetite e Boas Festas!

1 comentário:

Labrosca disse...

Que lista saborosa.
Não tivesse acabado de comer uma assandes de torresmos aquecida, com leite morno e muita nata persistente à superfície, e que tende a ficar colada aos lábios, não tivesse acabado de guardar no frigorífico o resto da massa que sobrou de ontem à noite, à qual levantei o testo e saiu um cheiro indescritível, não tivesse acabado de ver o meu tio avô a comer como sempre um croissant com fígado de cebolada dentro e a mulher uma enorme bola de berlim com creme à qual entremeou com grossa fatia de queijo bola, e ficaria com água na boca só de ver tantas referências ao bolo rei.
Mas, parece-me que logo após o almoço não vou resistir.