terça-feira, 28 de setembro de 2010

A Alma não existe...

A Alma não existe senão na mente de quem a questiona.
Isto é uma frase de que gosto muito e para a qual não necessito de aspas ou itálico porque é da minha outrora inspirada narrativa. Escrevo-a de novo porque ultimamente (todos compreenderão bem porquê) tenho-me lembrado muitas vezes dela – a Alma.

Consigo senti-la, não na minha pele mas nas minhas recordações. Tal como o Haga também eu… também todos nós temos carregado imensas vezes na tecla RECordações. E… quanto a vocês não sei mas é aí que eu costumo começar de novo a questionar-me… e então a dúvida dissipa-se: penso no meu filho e no que sinto quando ele salta pró meu colo; como antes pensava na minha mulher e no que sinto quando a vejo dormir ao meu lado; como antes disso pensava no meu pai e no que sentia quando o encontrava ao fim do dia, cansado e preocupado com o trabalho.

Quanto a vocês não sei mas eu tenho a certeza mais absoluta do universo de que o tamanho desse Amor tem de nascer na Alma. Na minha, na do meu filho, na da minha mulher, na do meu pai… dos meus irmãos, dos meus amigos.

Se calhar partilhámos todos a mesma Alma…se calhar! Não ficam recorded no vosso coração RECordações especiais? Momentos especiais? Eu acho que ficam gravados aí porque são registados pela Alma. Não são registados pela nossa pele ou pelos nossos olhos, não. O que os nossos ouvidos apenas ouvem, a Alma escuta!

Se calhar… há Alma na voz de Mariza, no poema de Camões, no piano de Keith Jarrett, na máquina fotográfica do Óscar, no humor do Haga, na alegria do Vital, na sabedoria do Lab… nos alunos do Al. Por isso a Alma é eterna, sempre viveu através nós e viverá para sempre por intermédio do que somos.

4 comentários:

Hagarraky disse...

Com o cotovelo apoiado na secretária, o queixo sobre a mão, li e reli este texto... e ... agora não escrevo mais nada...

Labrosca disse...

Belo momento de introspecção.

F disse...

Há um livrinho maravilhoso, que não é só para crianças. Recomendo:
http://www.novavega.pt/Book.aspx?id=100

Anónimo disse...

Belíssima declaração de Amor… em todas as suas dimensões:
Amor de pai.. de filho… de homem… de amigo!
Este texto demonstra bem a sensibilidade do seu autor… e sensibilizou-me!

Marial

(Inesperado, alguém com um pseudónimo Kmett N´Ojo “encerrar” em si tanta sensibilidade?!... :-))