sábado, 20 de novembro de 2010

Um dia especial



Hoje fui ao funeral do meu tio Xico Chaves.
Passaram-me pela memória os anos que convivemos, as muitas férias partilhadas, os jantares de animada conversa, os aniversários, os casamentos, os baptizados, passaram todos os momentos da vida já vivida.
Reconfortei o olhar pelas longínquas folhas de carvalhos, de lodãos, de aceres, de liquidambares que se avistavam da escadaria da igreja. Folhas vermelhas, amarelas, castanhas, tremeluzentes, na sua eminente queda outonal.
Foi um dia triste.
Nós, os que ficamos vivos, antecipamos aquele que será também o nosso dia.
Pelo menos, que haja folhas caindo...

2 comentários:

Óscar disse...

Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!
Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza...
A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro.

Mário de Sá-Carneiro

Labrosca disse...

É assim mesmo.