quinta-feira, 27 de maio de 2010

Tempos modernos


Técnicas de relacionamento e de comunicação (leia-se de endrominar o parceiro) utilizadas por gestores e técnicos comerciais: saber ouvir o cliente, utilizar chavões e esquemas conceptuais pré-determinados; usar as posturas indicadas pelos gurus; escolher o vestuário e os acessórios de acordo com os padrões pré-estabelecidos... e é claro, recorrer a grelhas, muitos gráficos e aos insubstituíveis OBJECTIVOS. Tudo isto me causa uma comichão verdadeiramente insuportável. Como se o relacionamento entre indivíduos fosse matéria científica onde, para além da sinceridade, do respeito, da simpatia e do bom senso, houvesse um algorítmo científico que assegurasse o êxito na liderança e no convencimento das pessoas. Tretas!

E ainda por cima a maior parte destes seres que parecem ter saído todos da mesma linha de produção, que falam mais ou menos da mesma maneira e se apresentam com o mesmo aspecto, nem sequer dominam em profundidade todo um conjunto de ensinamentos oriundos de supostos psicólogos e outros quaisquer doutores. Uma verdadeira lástima. É vê-los por aí aos balcões dos bancos, à frente de empresas (que vão pelo cano abaixo) ou do lado de lá dos telefones quando nos tentam impingir umas supostas férias ou um novo produto bancário.

Não há pachorra!

5 comentários:

Labrosca disse...

Não há mesmo pachorra!

Al Prazolam disse...

Compro!

Labrosca disse...

-Desculpe, posso roubar-lhe um minuto?
-Sim?
-Já conhece o nosso cartão?
-Não estou interessado em cartões.Tenho um, mas o que eu queria mesmo era ter muito dinheiro no cartão.
-Com o nosso não paga anuidade.
-Isso não me interessa.Eu também não pago anuidade.
-Pois, mas o nosso cartão tem muitas vantagens, por exemplo se for de viagem de férias ao estrangeiro ou em negócios pode utilizar como visa.
-Já não viajo
-Bom, mas com o nosso cartão não paga juros nos primeiros 30 dias.
-Mas eu não devo nada a ninguém, não pago juros de nada.
-Com certeza, mas com o nosso cartão, acumula pontos sempre que efectua pagamentos, além disso, tem direito a um seguro de vida
-Desculpe, estou com pressa, ainda tenho de passar pelo sapateiro para me por meias-solas.
-Então se eu lhe fizer uma oferta de adesão? Fica habilitado a uma viagem a Ibiza para duas pessoas em regime de meia-pensão.Que lhe parece?
-Além do mais o meu filho já está farto de esperar na escola
-Sabe que oferecemos um segundo cartão para a sua esposa com anuidade completamente gratuita no primeiro ano?
-Vai-me desculpar, mas se me oferecer o cartão, as anuidades, o seguro, a viagem, o segundo cartão e os pontos, mesmo assim, não aceito.
-Vai-me desculpar a indiscrição mas o que faz o senhor profissionalmente?
-Tenho uma fábrica de cartão...

Vital disse...

Labrosca: essa paráfrase é genial!
Óscar: Sempre tiveste grande embirração pelos yuppies, mas a rapaziada só está a fazer pela vida porque não tem o tachinho público garantido.
Mas não são classe pior do que os médicos (só que precisamos mais destes), professores ou juízes. Deve haver de tudo, digo eu.
E depois é moda: também já foi de cabelo comprido e barba, jeans, chinelito no dedão e a dizer «e não só, mas também» e «pá», a cada duas palavras. Virá outra.

F disse...

Têm todos razão, mas que não há pachorra, não há.